Conheça o roteiro religioso do Santuário Santa Rita de Cássia

Tempo de leitura: 6 minutos

Pensando em visitar o Santuário Santa Rita de Cássia? Baixe nosso APP  gratuitamente, pegue o seu carro e viaje em novas experiências!

História do roteiro do Santuário Santa Rita de Cássia

Pertenciam à grande nação tapuia os índios que dominavam quase toda a Ribeira do Trairi, aglomerando-se nas serras do Ronca, Tapuia e Doutor, atual Município de Santa Cruz. Aí foram encontradas ossadas humanas e diversos objetos pertencentes aos silvícolas, cujo desaparecimento data por volta de 1800.

Acredita-se que ainda no século XVIII se tenha dado a primeira penetração do elemento civilizado. Entretanto, a colonização só se iniciou em março de 1831, quando Lourenço da Rocha, seu irmão João da Rocha e um companheiro de nome João Rodrigues da Silva, percorrendo os sertões, tocaram naquelas paragens as quais denominaram Malhada do Juazeiro.

Pela altura e fronde, sobressaía-se entre os demais, belo juazeiro que se erguia no local onde hoje se situa a Igreja Matriz. A capela, sob a invocação de Santa Rita de Cássia, foi edificada em 1835.

Dotada de indispensável patrimônio, incluindo-se paramentos e alfaias, obteve-se provisão para que se celebrassem missas. Tendo vindo de Cachoeira a primeira imagem da Padroeira, o lugarejo passou a ser conhecido como Santa Rita da Cachoeira.

Havia abundância de inharé, árvore tida como sagrada e que provocava secas, epidemias e outros males, toda vez que seus galhos eram quebrados. Segundo a lenda, um santo missionário, tomando conhecimento do fato, dirigiu-se ao local e, cortando galhos de inharé, com eles ergueu uma cruz.

Os malefícios cessaram como por encanto. Das fontes, a água jorrou em abundância, os animais tornaram-se mansos e humildes, as aves entoaram cânticos. A localidade foi então chamada Santa Cruz do Inhame. Anos se passaram. O topônimo Inhame foi trocado por Trairei, nome indígena dado a importante curso d’água que banha o território. Mais tarde simplesmente Santa Cruz.

Modo de percurso: Carro

Início: Santuário Santa Rita de Cássia

Término: Igreja de São João Batista

Duração estimada: 03:30:00

Como fazer este roteiro? Através do Aplicativo Easy Tour Brasil.

Dica de transporte público: Acesse o CittaMobi para informações precisas, em tempo real, de previsão de chegada/saída.

Viva experiências únicas planejando seu próprio roteiro

Insira o seu endereço de email abaixo para receber gratuitamente nossos novos roteiro!>

Santuário Santa Rita de Cássia

santuário de santa rita de cássiaDescrição: A Estátua de Santa Rita de Cássia está localizada nas proximidades da BR-226 no município de Santa Cruz no estado brasileiro do Rio Grande do Norte. A imagem tem um resplendor de 8 metros, com o corpo da Santa em concreto de 42 metros, sobre um pedestal de 6 metros, totalizando 56 metros. A estátua é significativamente maior que o Cristo Redentor, no Rio de Janeiro, que mede 38 m (incluindo o pedestal), maior que Estátua de São Francisco em Canindé no estado do Ceará, que mede 30,25.

Atividade: Visitação

Duração: 01:00:00

Paróquia de Santa Rita de Cássia

Descrição: A Paróquia de Santa Rita de Cássia tem sua origem oficial em 27 de Março de 1935, quando o Conselho do Governo Provincial, sob a presidência de Basílio Quaresma Torreão, aprovou a criação da Freguesia de Santa Rita. Em 1835, as Assembleias Provinciais, instituídas por decreto legislativo, criavam Paróquias. Os estudos mais aprofundados no tema apontam para a uma povoação às margens do Rio Trairi nos primeiros anos do século XIX. As necessidades espirituais eram supridas por sacerdotes que eram procurados em Cuité/PB, que ficava bem próximo da divisa Rio Grande do Norte e Paraíba.

Igreja de Nossa Senhora das Graças

Descrição: Mais um templo católico foi erguido, agora nos anos de 1980, dessa vez por uma grave tragédia. O rompimento dos reservatórios de água no leito do Rio Trairi, o Boanerges e Mãe D’Água, em Campo Redondo, transferiram seus volumes para o Açude Santa Cruz, do DNOCS, que não suportou e rompeu a parede que barrava aquelas águas. Esse fato ocorreu em 1º de abril de 1981, na coincidência do “dia da mentira”, o que dificultou na credulidade dos populares em compreender o risco real de alagamento e destruição que a cidade corria.

Atividade: Visitação

Duração: 00:30:00

Igreja de Nossa Senhora das Dores

Descrição: Depois de 25 anos, Santa Cruz ganharia mais uma capela setorial, representando a fé católica de um novo aglomerado de bairros. A Igreja de Nossa Senhora das Dores reúne os bairros do Maracujá, Conjunto Aluízio Bezerra e Nova Santa Cruz em sua área, que representa uma antiga promessa de uma ilustre moradora de Santa Cruz. Na mesma rua em que está localizada a Escola Municipal Palmira Barbosa se encontra a Igreja da “Mãe das Dores”. Palmira Barbosa foi professora muito ilustre em Santa Cruz e teria feito uma promessa a Nossa Senhora de construir e dedicar uma capela à Mãe da Igreja. Esse sonho quase se tornou realidade, quando chegou a erguer algumas paredes, no entanto não prosseguiu.

Atividade: Visitação

Duração: 00:30:00

Igreja de São José

Descrição: O Patrono da Igreja Católica ganha uma igreja em Santa Cruz logo nos primeiros anos do paroquiato do Padre Vicente Fernandes, para abrangência da zona norte da cidade, reunindo os bairros ao redor da igreja, localizada na Rua Joaquim Rogério, num setor chamado “Cravina”. Onde hoje está erguido o templo se tratava de um depósito de material da Paróquia, que guardava o antigo pavilhão da festa social de Santa Rita de Cássia e outros objetos de grande porte. Com a ampliação e reforma de outros edifícios da Paróquia, e o fim da festa do pavilhão, o depósito foi esvaziado para reforma e adequação para se tornar igreja, dedicada a São José. A primeira edição da festa aconteceu em 2012.

Atividade: Visitação

Duração: 00:30:00

Igreja de São João Batista

Descrição: No segundo século de existência de Santa Cruz existiam o que hoje, chamamos de Centro da Cidade, na margem esquerda do rio e uma outra concentração de casas na margem direita. Esta última seria a Fazenda Paraíso, que foi propriedade da família do Padre Antônio Rafael Gomes de Melo, que depois passou para as mãos de Manoel Severino Bezerra, do sítio Boa Hora. A esposa do Sr. Manoel Severino, Dona Benedita Leopoldina Bezerra, teve a ideia de construir uma capela, mas não chegou a construir porque veio a falecer. Coube a sua nora, Claudina Azevedo Bezerra, fazer a doação de um terreno de 58×28 metros, no paroquiato de Dom Alair Vilar Fernandes de Melo, para dedicação a São João Batista.

Atividade: Visitação

Duração: 00:30:00

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *